Pride

Fotógrafo e diretor teatral, Ronaldo Gutierrez foi príncipe da noite gay nos anos 80; veja fotos

O coreógrafo, fotógrafo e diretor teatral Ronaldo Gutierrez, de 47 anos, era considerado o príncipe da noite dos anos 80/90. Hoje, conhecido por coreografar espetáculos como o musical “Rock Show”, de Wolf Maia, poucos sabem de seu passado – e sucesso! – nas extintas casas gays paulistanas: Medieval e Homo Sapiens, as “maiores bases profissionais de um artista da época”.
“Os tempos eram outros e as casas investiam em verdadeiros espetáculos, com enredo, bailarinos profissionais e figurinos. Tentei entrar para o elenco de bailarinos da Medieval durante três anos, isso em 81, 82. Demorei porque a seleção era tão rígida, tão rígida, que eu não conseguia ser aprovado. Quando entrei, transbordei de felicidade, mas me deixaram lá no fundinho”, recorda com bom humor. “Mesmo assim, aproveitei a oportunidade e investi pesado”.
Pouco a pouco, Ronaldo foi ganhando espaço nos shows e se destacando nas apresentações da artista Makiba (uma Silvetty Montilla da época). Após o fechamento da casa, o bailarino não desistiu do universo gay. Ele entrou para o elenco da HS, onde começou a ver sua carreira decolar. A apresentação mais polêmica foi “Brincando com Fogo”, em que uma Nossa Senhora desce de pára-quedas, óculos e com uma metralhadora nas mãos. Uma loucura!

 
Ronaldo (à direita)


“Eu fazia o papel de um menino tímido, que se apaixonava por um marinheiro que havia oferecido a alma ao diabo. Ele queria ter uma noite de amor verdadeiro e, após ter essa noite, o diabo levava a sua alma. Apaixonado, vou até o inferno para trazê-lo de volta.” A polêmica obra provocava desconforto do público, principalmente de alguns padres que frequentavam a casa.

 “Todo mundo comentava a cena em que um apóstolo batia na minha bunda e falava: Até que não seria uma má idéia passar uma quarentena com você no deserto.”

Com personagens heróis e ostentando corpo definido, o artista passou a ser considerado o príncipe da noite, aquele que todos os frequentadores queriam namorar. Vale lembrar que naquela época não existiam os gogoboys de hoje em dia e que os bailarinos é quem chamavam a atenção. “Muita gente jogava ursinho de pelúcia, gravava música em fita cassete e me davam”, lembra. 

Em 84, surgiu um boato de que era amante do Silvio Santos. “Mas é claro que isso era mentira”, desconversa. 

As apresentações “King Kenga” e “Boca da Noite”
Brincando com Fogo


Sua passagem pelo HS rendeu 10 anos de experiência, aplausos e dinheiro, principalmente com King Kenga, em que o artista dava vida a um gorila transformista gay. Há quem saísse de casa só para ver e se divertir com a hilária performance.  

Mas, com tanto sucesso, qual o motivo de ele ter deixado a noite gay? “Decidi sair depois que começaram a trazer shows de sexo explícito para o palco, algo que não condizia com o trabalho que fazíamos até então. Eles queriam que a gente terminasse com os shows, pois era mais barato pagar cerca de R$30 reais para duas pessoas fazerem sexo que investir em profissionais de arte.”

Depois disso, Ronaldo tornou-se diretor de teatro, trabalhou em musicais e, agora, investe em fotografias. “Recentemente fotografei uma campanha em favor do uso da camisinha com Santos Católicos (veja foto abaixo), e também fotos com conteúdo teatral”, detalha. Desde 1992, nunca mais foi a uma casa noturna gay.

Para ele, que continua com pinta de galã, balada soa trabalho.

Fotos de Ronaldo Gutierrez
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.