Pop e Art

Adolescente trans, Phoebe Cesinro supera bullying e torna-se líder de torcida da escola

.
A escola ainda é palco latente de transfobia em todo o mundo. Mas pequenas mudanças mostram esperança na luta por um ambiente mais acolhedor e que respeita a diversidade. Uma das conquistas foi noticiada pelo jornal Mirror envolvendo a adolescente canadense Phoebe Cesinaro, mulher trans de 16 anos.

+ Lea T e Ariadna Arantes participam de campanha contra transfobia

Ela se dá porque Phoebe conseguiu superar o bullying transfóbico dos demais colegas tentando se tornar (com sucesso) a primeira líder de torcida trans de sua escola “Eastwood Collegiate Institute”, na cidade de Kitchener, em Ontario.

Ela afirma que não foi tão simples conquistar o posto. Mas que o processo não foi facilitado e tampouco dificultado por ela ser trans. “Eu tentei entrar no time por dois anos, mas simplesmente não era boa o suficiente. Então, durante as férias de verão, eu adquiri confiança, que era o que me faltava para entrar na equipe, diz.

Nesta busca, ela afirma que conseguiu também combater as piadinhas – muitas pessoas insistiam a chamá-la pelo nome de registro, sobretudo nas redes sociais – e também a focar em sua transição de gênero. Phoebe diz que costumava a odiar estar na frente de multidões, mas que a competição para ser líder de torcida a fez ter confiança e a lidar com a raiva.
.



.
“Todo mundo sabia que eu era transexual e as outras meninas têm o visual muito feminino. Tentei manter a cabeça erguida para seguir com a minha transição, apesar de muitas vezes estar arrasada”, conta ela, que iniciou a transição em 2013, passou pela terapia hormonal e em março de 2015 teve o nome e o gênero alterados da certidão de nascimento.

Agora, a adolescente brilha nas competições da escola ao lado de qualquer garota cis. E diz que grande parte da contribuição veio da mãe, Jennifer Shaw, que a apoiou em todos os passos. “Eu sempre vou amar e apoiar a minha filha. Estou orgulhosa por ela ter se assumido e ter tido força para ser quem realmente é”, disse Jennifer ao jornal. 

Que este exemplo positivo inspire pais, mães, filhos, colegas, professores e as escolas brasileiras…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.