Pride Realidade

Audiência do caso da travesti Laura Vermont é remarcada para março de 2017

Por Neto Lucon

A segunda audiência de instrução em continuidade do caso da travesti Laura Vermont, que ocorreu às 14h dessa segunda-feira (28), no Fórum Criminal da Barra Funda, em São Paulo, acabou sendo redesignada para março de 2017.

De acordo com a advogada da família da vítima, Carolina Gerassi, a alteração ocorreu porque algumas testemunhas não foram localizadas pelo oficial de justiça para a audiência e são consideradas imprescindíveis.

“O Ministério Público, a Defensoria e a assistência de acusação pediram vista nos autos para verificar se vai desistir de ouvir essas testemunhas ou se vai insistir. A assistência de acusação já insistiu em uma e essa testemunha precisa ser localizada”, declarou. Ela explica que o interrogatório dos réus é o último ato processual.

Laura Vermont


Laura Vermont é a travesti de 18 anos que foi brutalmente agredida e assassinada em junho de 2015 na Zona Leste de São Paulo. Câmeras de segurança mostram a violência e os acusados: Van Basten Bizarrias de Deus, Iago Bizarrias de Deus, Jefferson Rodrigues Paulo, Bruno Rodrigues de Oliveira, Wilson de Jesus.

Eles chegaram a a admitir a agressão e ter a prisão preventiva decretada, mas passaram a responder por homicídio doloso – ou seja, quando há intenção de matar – em liberdade. O caso também traz a má conduta policial, que ao socorrer Laura acabou dando um tiro nela e forjando uma testemunha no Boletim de Ocorrência. 

O IML apontou que a causa da morte foi traumatismo craniano, causado por agente contundente.

FAMÍLIA PROTESTA

Durante a segunda audiência, a família, amigos e ativistas LGBT se reuniram em frente ao Fórum para protestar contra a impunidade sobre o caso e os crimes de transfobia. Os participantes levaram faixas e conversaram com a imprensa sobre o crime.

“Eles já confessaram o que fizeram, tem vídeo, tem tudo, por que eles não estão presos? Nós estamos aqui por justiça”, declarou Zilda Vermont, mãe da Laura, a quem ela chama de dengo. “Estou a base de calmante, está sendo muito difícil, pois o que eles nos tiraram foi muito importante”, declarou.

Assista ao vídeo:

https://www.facebook.com/plugins/video.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fnlucon%2Fvideos%2F914048932029321%2F&show_text=0&width=560

A militante travesti Kimberly disse que a morte de Laura levou uma parte de todas as travestis e transexuais. Dêmily Nobrega afirmou que esteve presente para combater a transfobia. E Adriana da Silva frisou que é preciso acabar com os assassinatos de travestis e mulheres transexuais do país.

O ato também contou com a presença das Mães pela Diversidade e da Família Stronger. “Tirar a vida de uma pessoa por ódio é algo que não se faz. Estamos aqui por justiça”, declarou Clarice Cruz Pires. “Está ocorrendo um genocídio, pois o Brasil é o país que mais mata travestis e transexuais”, disse Majú Giorgi.

Zilda afirma que muitos casos de morte e violência por transfobia são invisibilizados porque as famílias também têm preconceito e preferem esconder. “Vamos acabar com o preconceito, vamos à luta. Me ajudem a fazer justiça. Vamos colocar os assassinos na cadeia”, declara ela, que pretende fazer uma nova manifestação no próximo ano.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.