Pop e Art Pride

Alguém já ganhou? Saiba quais participantes trans fizeram história nos reality shows


Por Neto Lucon

Desde 2000, quando o No Limite (TV Globo) estreou no Brasil, os reality shows ganharam a TV, despertaram torcidas e mobilizaram o país. Big Brother Brasil, A Fazenda e O Aprendiz são alguns dos mais conhecidos. Para além da espiadinha, eles trouxeram e provocaram alguns debates. Vale perguntar: em qual momento surgiu o debate da travestilidade, transexualidade e transgeneridade?

A primeira vez que incluíram uma pessoa trans num reality show foi para debochar. Foi no quadro “Casa dos Desesperados”, apresentado por Sérgio Mallandro na TV Gazeta em 2002. Ele satirizava com apelo trash o BBB e a Casa dos Artistas e trazia dentro de um apartamento minúsculo a convivência de pessoas estigmatizadas – a travesti Tiffany, uma mulher cis gorda, um anão, um japonês, uma loira. Eles concorriam mil reais e uma cesta básica.

Segundo matéria da Folha de São Paulo, de 25 de maio de 2002, o quadro tirou “Sérgio Mallandro do limbo” ao ter muito ibope. Na matéria, o apresentador dizia que nada era combinado e que não havia texto. Cada candidato, escolhido “aleatoriamente” e que “estava sem emprego”, recebia R$60 por participação.

Dentro de um formato mais sério ou sem o estigma do deboche, a primeira participante travesti veio quatro anos depois. A atriz Bianca Soares participou da Casa dos Artistas 4, do SBT. O programa prometia dar à vencedora o papel de protagonista da próxima novel, trazendo provas de interpretação, workshops e fazendo a tradicional votação entre participantes e o voto final do público.

Bianca entrou no programa sem anunciar que era travesti, mas o público já havia sido informado de fora pela imprensa. A revista Veja a classificou como “Estranho no Ninho” e a “TiTiti” anunciou com sensacionalismo: Bomba! Bianca é travesti. Alguém precisa avisar o Alê”, referindo-se a um ator que havia se encantado por ela. Com um país avesso à discussão e acolhimento às pessoas trans, ela foi eliminada logo na primeira semana, no dia 23 de agosto de 2004, com 75% dos votos.

Posteriormente, foi muito requisitada em programas de TV, inclusive gerando confronto entre Gilberto Barros (Leão) e Luciana Gimenez, Band e Rede TV!, foi convidada para voltar ao reality show. Não como participante, só para contar aos demais que é uma travesti e aumentar o ibope da edição. Vale informar que a vencedora Carol Hubner nunca foi protagonista de nenhuma novela do SBT. 

Casa dos Desesperados era sátira da Casa dos Artistas

Bianca Soares e Silvio Santos, destaque na Casa dos Artistas


A trajetória de Bianca na Casa faz lembrar a da então cabeleireira e agora atriz e youtuber Ariadna Thalia Arantes no Big Brother Brasil 11, em 2011. Ela entrou no programa sem mencionar que é uma mulher transexual, apesar de o público de casa já saber. Ela foi colocada logo no primeiro paredão, quando ainda estava se abrindo aos poucos aos participantes. 

Sem entrar em conflitos ou brigas, ao contrário, era uma das participantes mais alegres da casa, Ariadna também sentiu a transfobia do público brasileiro e acabou sendo a primeira eliminada com 49% no paredão triplo.

Tendo a participação repercutindo fora do programa, a emissora tentou levá-la de volta ao BBB. A colocou numa Casa de Vidro em um shopping ao lado de outros ex-participantes para uma repescagem. Ainda assim, o público preferiu mandar de volta Mauricio.

Vale destacar que ela foi a única mulher transexual – e também a ÚNICA pessoa trans – na história do Big Brother Brasil em 18 anos de edição e 278 candidatos cisgêneros. E que posteriormente, ao ser convidada para posar para a Playboy, foi sujeita a mais uma votação. Desta vez, o público decidiu que Ariadna merecia uma capa só dela. 

Ariadna na Casa de Vidro


SOLTANDO A VOZ

Em 2009, o programa musical Ídolos da Record aprovou pela primeira vez uma cantora trans. Tratava-se de Lívia Mendonça, que surpreendeu os jurados ao cantar “Negue” e “Onde Estará o Meu Amor” e ter a voz associada à de Maria Bethania. Ela recebeu foi aprovada por todos os jurados.

Algo curioso é que nenhum deles sabia que a participante é uma mulher trans até ela ser aprovada e até o apresentador Rodrigo Faro fez uma cena um tanto caricata (ficando de boca aberta por alguns segundos) ao descobrir pela própria cantora após a vitória.

Na as próximas fases, quando todos já sabiam que ela é uma artista trans, Lívia não passou na terceira eliminatória. Ela cantou a canção “Não quero Dinheiro”, de Tim Maia, ao lado de outras três competidoras cis, mas não agradou os jurados. Foi uma das vozes mais lindas que já passou no programa, mas que não retornou em nenhum outro desde então. 

Em 2012, foi a vez de Valéria Houston – hoje ela assina só como Valéria – marcar presença no programa Astros, do SBT. Antes de cantar, ela foi alvo de diversas brincadeiras dos jurados – que se revezavam para decidir quem toparia dançar uma valsa com ela – mas dentre os sorrisos ela frisou que estava ali para mostrar que sua arte independe da roupa que veste.

Valéria cantou a música “Meu Erro” e surpreendeu o júri com uma versão linda e passou para a segunda fase. Apesar da vitória, não foi possível ver Valéria nas etapas seguintes. Ela chegou a gravar, mas o programa nunca foi exibido.

Em 2015, artista retornou ao SBT na “Máquina da Fama”, apresentado por Patrícia Abravanel. Nele, Valéria se caracterizou de Whitney Houston e arrasou. Não sem antes ser alvo de piadas da apresentadora, que a questionou se era “a” Valéria ou “o” Valéria, deixando-a extremamente desconcertada. Sobre o episódio, Valéria questionou em entrevista que não sabe “até que ponto as pessoas acham que a história de uma transexual é freak show”.

Lívia surpreendeu os jurados no Ídolos
Valéria Houston em 2012, quando participou dos Astros

FAZENDEIRAS

Em 2010, Nany People entrou para a terceira edição de A Fazenda, da TV Record, até então apresentada por Britto Jr. A atriz defendeu seus ideais, brigou, fez amizades, flertou e também mostrou o lado mãezona de Mulher Melancia e companhia. Chegou a sofrer transfobia em uma das brigas.

Foi a quinta eliminada pelo público no dia 4 de novembro de 2010, em sua primeira roça, com 63% dos votos.

Dois anos depois, foi a vez da Leonora Áquilla entrar em A Fazenda. Na ocasião, ainda que se identificasse enquanto mulher trans, Leonora esteve entre os participantes homens. A emissora declarou que a escolha partiu da artista, que naquela época dizia que não se incomodava com o tratamento.

Divertida, mas sem fugir do debate sério, Leonora falou sobre as diversas batalhas que já teve em sua vida. Com isso, escapou de todas as roças, indo para a final com Viviane Araújo e Felipe Folgosi. Ficou em terceiro lugar. Vale dizer que atualmente Leonora defende o respeito a identidade de gênero. Ou seja, quer ser chamada por Leonora e tratada no feminino.

Nany em sua eliminação em A Fazenda
Sem ir à roça, Leonora chegou a ficar em terceiro lugar

ALGUÉM JÁ VENCEU OU QUASE?

Enquanto no Brasil todas as pessoas trans que participaram de reality show de eliminação foram tiradas logo na primeira oportunidade – nunca venceram um único paredão ou roça, por exemplo – o mesmo não pode dizer dos reality shows internacionais.

Na edição inglesa do Big Brother (Channel 4), a funcionária de banco Nádia Almada – que é uma mulher transexual – foi a grande vitoriosa em 2004 (há 14 anos!). A portuguesa tinha 27 anos quando foi confinada por 71 dias no programa e, apesar de ser considerada azarona nas primeiras semanas, logo conquistou o público.

Sua vitória foi marcante em diversos sentidos. Tanto pela representatividade quanto por ter vencido seu maior rival dentro do programa, Jason, que ficou em segundo lugar. Nadia recebeu 3,9 milhões de votos e levou 63 mil libras, algo como 350 mil reais na época. Foi o segundo programa com maior audiência do Big Brother inglês.

No reality show RuPaul’s Drag Race (HV1, Logo TV), Peppermint foi a primeira participante declaradamente mulher trans a ser selecionada para o programa para o programa que escolhe a melhor drag queen. Outras mulheres trans também participaram, mas revelaram durante a participação, como Monica Beverly Hillz, ou após o programa, como a top Carmen Carrera.

Nenhuma delas venceu, mas Peppermint chegou a ficar em segundo lugar na nona temporada. Posteriormente, RuPaul disse que não selecionaria mulheres trans que tivessem dado início à hormonioterapia e outras cirurgias.

Nádia venceu o Big Brother inglês
Peppermint arrasou em RuPaul’s Drag Race

NA MODA

Diversos reality shows, todos internacionais, que prometiam escolher a nova modelo do ano também trouxeram pessoas trans. Isis King foi a primeira a participar em 2008 do America’s Next Top Model, apresentado por Tyra Banks. 

Ela não venceu, mas se tornou uma das modelos trans mais requisitadas e estrelou diversas campanhas pela visibilidade e representatividade alcançada.

Em 2015, a modelo Pari participou da versão alemã do Next Topmodel, que é apresentado por Heidi Klum. No último ano, Giuliana Farfalla participou do mesmo programa. Assim como Pari, Giuliana não venceu, mas foi a primeira mulher trans a ser capa da Playboy do país.

Teve ainda Loiza Lamers, que participou da versão Holandesa do Nex Topmodel em 2015. E Talulah-Eve Brown, que participou em 2017 da versão da Grã-Bretanha. Ainda que tenhamos várias pessoas trans trabalhando como modelo no Brasil, não tivemos um reality show no país que incluíssem profissionais trans. 

Isis King, a primeira do Next Top Model


HOMENS TRANS

Na Argentina, o homem trans Alejandro Iglesias participou do Gran Hermano (o Big Brother de lá). Na época ele tinha 26 anos e declarava que queria o prêmio, cerca de 170 mil, para realizar a cirurgia genital. Ele não venceu a atração, mas se tornou muito popular no país e, sim, já realizou sua cirurgia. 

Em Portugal, o chef de cozinha Lourenço participou do reality show Casa dos Segredos, em 2013. O programa consistia em colocar diversos participantes com segredos dentro de uma casa e o jogo consistia em manter os eu segredo intacto, até conseguir descobrir o segredo dos adversários. O de Lourenço era: “Mudei de sexo neste ano”.

Lourenço não venceu o programa, mas também se tornou muito popular e querido em Portugal. Chegou inclusive a lançar um livro contando sobre sua vida. Um dos objetivos do programa foi atendido: ele sonhava em viver uma grande história de amor e, de fato, está vivendo.

No reality show Survivor (o No Limite norte-americano), Zeke Smith participou e levou a discussão da transfobia. Tudo porque outro competidor, ao votar dele, declarou que ele merecia ser eliminado porque era homem trans. Porém, a justificativa não pegou bem no grupo e quem acabou sendo eliminado foi o próprio adversário. Zeke foi eliminado pouco depois.

Até o momento, nenhum homem trans participou dos reality shows mais famosos no Brasil. Nesta segunda-feira (23), contudo, o ator Thammy Miranda estará no programa Os Gretchens, exibido pelo Multishow. (saiba mais abaixo).

Alejandro participou do Gran Hermano, na Argentina

Lourenço, da Casa dos Segredos
Zeke, da versão norte-americana de No Limite

SEM COMPETIÇÃO, SÓ EXPOSIÇÃO

Os Grethens é protagonizado obviamente pela cantora e rainha do bumbum Gretchen, mãe de Thammy. Trata-se de uma versão brasileira do reality show internacional Keeping Up with the Kardashians, exibido pelo E!, que mostra a vida de uma família.

Nele, Thammy não participará de provas, nem de eliminações. Apenas mostrará sua rotina. Dentre os momentos exibidos, estará o casamento de Thammy e Andressa em Las Vegas, a lua de mel em Nova York, e várias brigas de casal.

Aliás, reality shows que mostram o cotidiano de pessoas trans sem competição estão em alta. O reality Strut, dirigido por Whoop Goldeberg, que mostrará a rotina de modelos trans, é um deles. A ex-atleta e empresária transexual Cailtlyn Jenner, da família Kardashian, lançou em 2015 o reality show I Am Cait (E!), mergulhando no debate trans. E a adolescente trans Jazz Jenning também teve um reality show I am Jazz (TLC).

Talvez tais reality shows sejam a melhor forma de fazer com que o público possa conhecer de fato essas pessoas, sem a oportunidade de destilar sua transfobia e eliminar, não tão somente os/as participantes trans, mas o debate. E, você, assistiu algum desses? Lembra de mais alguém?

Thammy e a família em Os Gretchens

Jazz teve seu próprio reality show
Caitlyn Jenner trouxe várias pessoas trans em seu reality show próprio
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.