Destaque Pop e Art Pride Realidade

Quando o feminismo radical tem como alvo as mulheres trans e travestis


Por Neto Lucon

Uma manifestação contra mulheres trans marcou no sábado (07) a Parada do Orgulho LGBT de Londres, a Pride in London. Tudo porque um grupo de ativistas lésbicas cisgêneras e feministas radicais bloqueou o início da marcha reivindicando que o “transativismo apaga as lésbicas” e questionando a orientação sexual de quem é mulher trans e é lésbica.

Segundo cartazes distribuídos pela Get the L Out, elas não reconhecem a identidade de gênero da mulher trans e diz que aceitar que uma mulher trans seja lésbica é o mesmo que coagir mullheres lésbicas cisgêneras a transarem com homens. Em um dos gritos, uma das manifestantes declarou que “um homem que se diz lésbica é um estuprador”.

“Somos mulheres atraídas por mulheres. Não queremos nenhum pênis no nosso quarto”, declarou Sarah Mason, que negou ser transfóbica. Já Jan Willians, da Objetct, declarou que a “transgeneridade é uma terapia de conversão”. Outras entidades que apoiaram o ato foi a Mayday 4 Women, Critical Sisters e Lesbian Rights Alliance.

Elas lideraram a marcha toda, segurando cartazes com slogans anti-trans e distribuindo panfletos. A organização da Pride London não as retirou da manifestação e um funcionário do evento disse para as câmeras que “nós precisamos do que vocês estão fazendo”. No pedido de desculpas, a Parada declarou que não interviu porque “estava muito quente” e que “para manter a segurança de todos decidiu deixar a manifestação seguir em frente”.

A mídia internacional e alguns sites brasileiros divulgaram o ato, mas grande parte esqueceu de escutar o outro lado: o das mulheres trans lésbicas e das mulheres cis lésbicas que apoiam e acolhem a população trans, tanto no movimento de mulheres lésbicas e bissexuais quanto no feminismo. O NLUCON foi escutar esses relatos.

INFORMAÇÃO IMPORTANTE

Mulher CIS é a identidade de gênero de pessoas que foram designadas mulheres ao nascer e que continuaram se identificando enquanto mulheres. Mulher TRANS é a identidade de gênero de pessoas que foram designadas homens ao nascer, mas que se identificam com o gênero feminino e que são mulheres – independente dos genitais de nascimento.

Tanto mulheres cis quanto mulheres trans possuem orientação sexual. Caso ela se sinta atraída sexualmente/afetivamente por mulheres podem ser lésbicas. Afinal, é uma mulher (pessoa do gênero feminino) que se atrai por outra mulher (pessoa do gênero feminino) – podendo ser cis ou trans. Também podem ser héteros, bissexuais, pansexuais ou assexuais.

Tanto mulheres cis quanto mulheres trans sofrem com o machismo e com o preconceito por serem do gênero feminino. Dadas as suas especificidades e outras características, como orientação sexual, raça, classe social, etnia (…), ambas são vítimas de assédio, violência doméstica, violência sexual, preconceito no mercado de trabalho e (trans)feminicídio.

MANIFESTAÇÃO VISA BARRAR DIREITOS TRANS

Segundo a atriz e performer inglesa Emma Frankland, que é mulher trans e lésbica, “é perturbador escutar a opinião dessas mulheres cis de que continuaria sendo um homem e que sua existência é uma ameaça às mulheres lésbicas cis”. “A última coisa que quero fazer é apagar as lésbicas”, afirma.

Ela explica que o movimento anti-trans está tomando proporções grandiosas no Reino Unido, sobretudo no momento em que o governo lançou uma consulta pública sobre o GRA – Gender Recognition Action – que se trata da mudança de nome e gênero das pessoas trans na documentação.

“Este seria um passo muito positivo, mas está sendo usado como desculpa para espalhar muitas mentiras e medo. É absolutamente transfobia e intolerância, e todos os argumentos não resistem a nenhuma lógica”, afirmou com exclusividade ao NLUCON.

Emma afirma que a manifestação demonstra desconhecimento ao que é defendido e ignorância ao privilégio das manifestantes. A atriz defende que pessoas LGBTQIA devem se vigiar de quais maneiras podem ajudar quem tem menos privilégios e se unir nessas lutas, sem sentir que suas bandeiras pela liberdade tenham acabado.

Emma diz que é importante que haja união (foto de Rosie Powell)


“Eu sou uma mulher trans, mas também sou branca, e posso usar meu status para falar contra o racismo dentro dos espaços comunitários. É tão importante que nos unamos, porque quem ameaçam nossos direitos não são as mulheres trans ou as mulheres negras. São que estão no poder e sustentam lutas internas inúteis que nos eixam exaustas e vulneráveis a outros ataques em nossas vidas”, afirma.

A artista frisa que neste momento muitas conversas dentro da comunidade trans estão ocorrendo e pede que mulheres cisgêneras, lésbicas e aliadas trans sejam ouvidas. “Estamos nos preparando para uma semana de comemorações em torno do Trans Pride Brighton no dia 21 de julho e tenho certeza de que esta será uma afirmação da vida e uma bela celebração todas às pessoas trans – incluindo as não-binárias”.

NO BRASIL

No Brasil, os ataques sobretudo virtuais contra pessoas trans vindo de algumas mulheres cis também começaram a ocorrer nos últimos anos. A transfeminista e estudante de jornalismo Francine Iunes Abdalla Maihub Opitz, que é mulher trans lésbica, diz que os casos partem da briga entre Radfems (feministas radicais) com ativistas trans. Sobretudo do seguimento TERF (Trans Exclusionary Radical Feminists/ cuja tradução é Feministas Radicais Trans-Excludentes).

“Os Estados Unidos exportaram para o mundo essa briga”, defende. “Observo que estão mesclando seus sentimentos pessoais de rejeição e aversão às pessoas transexuais com seu ‘ativismo político feminista’. Acho que essa guerra ideológica não vai acabar tão cedo”, continua.

Um dos recentes ataques ocorreu em junho, na página que divulgava as atividades da tradicional “Caminhada de Mulheres Lésbicas e Bissexuais, que teve sua décima quinta edição em São Paulo. No Facebook, um vídeo com o relato de uma mulher trans lésbica, a professora Luiza Coppieters, sofreu grande retaliação por parte de mulheres cis lésbicas aliadas ao feminismo radical.

Mensagens de ódio, transfobia e questionando a identidade de gênero de Luiza pipocaram na página e algumas delas foram removidas pela organização.

Segundo Maíra Mee, participante da organização da Caminhada, militante marxista feminista e mulher cis, o objetivo da Caminhada deste ano foi ser transinclusiva e contra a transfobia. Tanto que nas reuniões que ocorreram, a maioria das mulheres não só foi a favor da existência das pessoas trans, mas também defendeu que elas estivessem ativamente na construção da caminhada. Porém, entre o acordo entre as participante e ações preventivas faltaram alguns passos.

Francine diz que ataques vem de parte das feministas radicais
Maíra revela que Caminhada LB tentou ser transinclusiva


Maíra defende que a presença de mulheres trans no movimento feminista não só é importante, como também é fundamental. Ela diz ainda que é necessário fazer a ponte dessas mulheres com o movimento lésbico, bissexual, prostituição, espaços de esquerda, de moradia, dentre outros.

“É o grupo de mulheres de todas as categorias que são expulsas de todas as instituições sociais, de todas as estruturas. Elas começam a ser expulsas da família e da escola, depois do mercado de trabalho. Elas fazem parte da história da América do Sul e Sudeste Asiático, mas hoje estão completamente à margem. Quando a gente tem pessoas ainda mais oprimidas dentro e uma luta, elas trazem uma carga de informação, que torna a luta maior. Precisamos entender que são mulheres que, por mais que há travestis que digam que são homens e mulheres, o tratamento que a sociedade dá para elas é o tratamento que se dá para mulheres”, diz.

DE ONDE SURGEM OS ATAQUES?

Maíra afirma que os ataques não fazem parte de uma transfobia ignorante, mas de um ativismo contra a existência das pessoas trans, já que parte da crença de que pessoas trans não existem.

“É uma defesa que vem desde a década de 60, quando essas mulheres saíram das organizações de esquerda, acreditando na oposição e num marxismo ortodoxo, que de ortodoxo não tem nada. Como as organizações diziam que primeiro vinha a luta econômica pelo socialismo e depois as outras, as feministas da vertente do feminismo radical passaram a dizer que a maior exploração não é a econômica, mas a do homem sobre a mulher. E daí vem essa história de que mulher trans é homem e, portanto, é o inimigo. Como muitas estavam na academia, produziram muito a respeito disso. São leituras rasas, mas que pegam fácil”.

A professora e militante do coletivo LGBT PRISMA – Dandara dos Santos – Leona Wolf, que é mulher trans lésbica, explica que o movimento de feministas radicais se pauta no que era difundido nos anos 70 e 80, buscando o essencialismo em relação ao sexo. Segundo a professora, ele se ancora na manutenção das certezas, brinca com medos e toca a irracionalidade. Tanto que há harmonia do movimento com o discurso de setores conservadores ligados a grupos fundamentalistas cristãos que se opõem ao mesmo tempo ao feminismo.

“No caso dos conservadores com a manutenção da família, com uma inteligibilidade de mundo, da naturalização de comportamentos e de funções sociais dos sexos. As feministas lésbicas se opõem a essa imposição de padrões comportamentais e funções sociais, mas por outro lado, a transgeneridade toca no que é “ser mulher”, em como construir uma luta “de mulheres” sem certezas, pois se opor a aspectos da feminilidade não as torna menos mulheres”, defende.

Leona diz que ataques surgem porque transgeneridade toca no que é ser mulher



Leona também reflete que ao longo da história os movimentos não foram construídos com o foco no combate às opressões, que poderiam abarcar diversos grupos, mas em identidades fechadas. Ela aponta para o evento histórico organizado por Leslie Feinberg nos anos 90, o Transgender Nation, cuja proposta era uma unidade das pessoas que não se adequavam aos padrões de gênero estabelecidos e que sofriam violências por isso.

“O que ocorreu foi que nossos movimentos foram se tornando cada vez mais identitários e as fronteiras identitárias geram inquietações. A cisão entre uma mulher cis lésbica que resiste aos estereótipos de gênero e um homem trans não hormonizado e com mamas, em expressão de gênero pode ser imperceptível, o que unifica os dois é o fato de sofrerem violência por não se adequarem a um padrão de gênero, o que não implica que mulheres lésbicas devam se reivindicar homens trans ou pessoas não binárias, ou que homens trans devam se reivindicar mulheres, a diferença aqui é identitária. O problema é que temos movimentos não construídos em unidades contra opressões, mas em torno de identidades fechadas”.

SOU MULHER TRANS LÉSBICA

A programadora Giuliana Zambotto diz que sempre soube de sua transexualidade. Aos 15 anos, começou a perceber que se atraía fisicamente por mulheres. Segundo ela o processo foi simples: “Quando eu isso aconteceu, eu já me tomava como mulher, então não foi difícil chegar à conclusão de que eu sou lésbica”.

Ela afirma que, toda vez que ocorre algum flerte, sempre coloca a sua transexualidade como foco. “Não que eu ache que deva ser assim, mas por enquanto, acho mais seguro. Dessa forma, as meninas lésbicas que chegam em mim – sou tímida, não chego nunca – sempre estão cientes do que estão fazendo”.

Apesar do respeito que sempre teve em seus relacionamentos, Giuliana conta que já foi vítima dos ataques virtuais. Em um deles, chegou a ser ter sua foto exposta nas redes sociais e ser acusada de ser uma potencial estupradora: “Elas compartilhavam minha foto dizendo que eu era ‘um estuprador de lésbicas'”, lembra.

A programadora também diz que os ataques não são originários da falta de conhecimento – já que muitas se tornam especialistas no assunto para poder argumentar contra a própria existência de pessoas trans. Por meio dos debates que teve, ela afirma que é um pensamento limitado de uma elite, que pouco tiveram contato com mulheres trans lésbicas ou que tiveram contato com homens que se autodeclararam trans lésbicas, sem nenhuma transição ou socialização feminina, que de fato se encaixaram na tese dessa parte do feminismo.

“Para elas o denominador final é a biologia, ou seja, nascemos fêmeas com útero ou machos. Claro que a ciência é muito mais complexa que isso, com várias combinações cromossômicas e intersexualidade, mas assumem essa crença para validar a teoria radical para ‘destruir gêneros’. Desta forma, sentem que pessoas trans se intrometeram na luta delas, e não podem reconhecer nossa identidade quando querem destruir o que justamente, nós trans, lutamos pelo direito de declarar”.

Giuliana diz que já recebeu ataques de feministas radicais


NÃO FOI SIMPLES

Francine declara que teve mais dificuldades de entender sua orientação sexual. “Só passei a ter conhecimento do que sou quando assisti o canal da Mayra Viamont no Youtube. Eu nunca tive um relacionamento sério nem com mulheres cis nem trans, mas desejo uma boa companhia amorosa, como toda relação saudável”.

Trajetória semelhante teve Leona, que passou um longo período até se entender mulher trans lésbica. Ela diz que a norma heterossexual é dominante mesmo para as pessoas trans, sendo que muitas pessoas acham que uma mulher trans obviamente vai se interessar por homens cis ou trans. “Eu achava uma contradição me ver como mulher, agir em meio delas e gostar delas. Eu não era tratada como ‘alguém a se relacionar’. Cogitei ser bi, tentei ficar com caras, mas a maior parte namorei com meninas bi, casei”.

A professora recorda que tentou por muitos anos simular ser masculina e se convencer de que era louca, mas entrou em crise por volta dos 30. “Me assumi e deixei de achar que ‘era como uma lésbica’ e sim que sou lésbica. Mesmo não sendo e não visando um modelo pré-formatado de feminilidade contínuo trans e de fato as mulheres cis também não são um estereótipo. Mas entendendo que andei junto com as mulheres cis, que passei por coisas que me aproximam mais delas, que me indignei por coisas semelhantes e é isso que importa”.

Leona reflete que ser mulher lésbica nesta sociedade é ser objetificada, subalternizada, ter a voz apagada, relacionamentos invalidades, censurados, uma vez que a posição da mulher na sociedade é colocada como destino de ser posse de um homem. “Se é trans ainda paira o mito que você é assim para atrair os homens, o estigma da prostituição pesa sobre você e você é tratada como pedaço de carne no mercado, assédio que pode virar violência. Ser uma mulher lésbica é poder sofrer agressão de qualquer assediador que descobre que é lésbica, se é trans e lésbica, eles não acreditam”, diz.

Ela explica ainda que toda resistência de entender a orientação sexual de pessoas trans é que a sexualidade ainda tem como modelo a cisgeneridade. “A maioria da população é cis, mesmo no meio LGBT e a assimilação entre desejo e genitália parece óbvia, até aparecer uma pessoa trans. Porque o desejo não é tão racional, ele não precisa da confirmação da pessoa ter a genitália x, y ou z para agir. As mulheres trans ainda são chamadas pelos homens cis ‘fraude’ e tantos assassinatos já ocorreram pelo homem cis e hétero se sentir ‘viado’ por se atrair ou ter tido relação sexual com uma travesti. Ser trans e lésbica é ser lésbica, e ser lésbica não é assediar lésbica. Mas ser uma mulher que ama mulheres”, define.

De acordo com Francine, o “transativismo não apaga as lésbicas”, mas inclui que as mulheres trans também tem espaço nas categorias de orientação sexual. E que assim como qualquer pessoa cis, as pessoas mulheres trans podem ser heterossexuais, bissexuais, lésbicas, pansexuais. “Apenas dizemos que homens hétero cis e mulheres lésbicas cis podem se sentir atraídas sexualmente por travestis e mulheres trans”, diz ela, destacando a passabilidade cisgênera (pessoas trans que são lidas socialmente como pessoas cis) de muitas pessoas trans. “Essas sequer são socialmente lidas com base no sexo e gênero designado ao nascimento”.

MULHERES CIS LÉSBICAS FALAM

A jornalista Larissa Artiaga, que é mulher cis lésbica, afirma que passou por um processo para entender a população trans e descobrir as diferenças de orientação sexual e identidade de gênero. “No início, foi inteligível, partindo do pressuposto de que jamais alguém ‘escolheria mudar de gênero’ para depois ficar com alguém do mesmo gênero e continuar sofrendo preconceito. Depois, entendi que o gênero e a sexualidade não podem ser escolhidos”.

A jornalista defende que apoia mulheres trans porque as vê como as mulheres que são e que possuem especificidades como todas as mulheres. “Elas também são vítimas do machismo, estão expostas à violência nas ruas. Elas precisam de políticas públicas específicas e nós, mulheres lésbicas cis, podemos ajudá-las a conquistar isso. Nós precisamos ter mais empatia. Quanto às mulheres trans lésbicas, muitas pessoas sequer sabem que elas existem, quiçá que resistem”.

Larissa diz que passou por processo até apoiar população trans


A fotógrafa Dani Villar, que é mulher cis lésbica, também destaca que houve processo para entender e abraçar a causa trans. Criada em um ambiente religioso, ela chegou a estranhar duas mulheres se beijando e a transição de um amigo homem trans. Até que se percebeu lésbica e posteriormente cogitar a se relacionar com mulheres trans. “Não cai informação do céu na nossa mente. A gente toma conhecimento, acha estranho e se tem interesse se informa e começa a entender, a desenvolver empatia e olhar para o outro como um ser igual mesmo sendo diferente”.

Ela diz que a concepção “quase Bíblica” do que é ser homem ou mulher ajuda a nortear os ataques. “Aquela coisa de deus criou homem e mulher… Mesmo que a pessoa seja da comunidade, sabemos quanto preconceito existe dentro dela. As pessoas gostam muito de cuidar do “seu problema” do que “as afeta” sem estar nem aí para o que acontece com o vizinho. Mas o que esperar de uma sociedade que um pai ainda coloca o filho para fora de casa por ser gay? É óbvio que ainda vamos penar muito para que essa construção vinda da religiosidade dê espaço para outros tipos de formas de amar e ser. Essas fobias vem do medo, do diferente, do achismo. Falta empatia pelo outro, independente de quem for o outro”.

Dani reforça o discurso de “unidas somos mais fortes” e defende que “mulheres trans sofrem tanto quanto as mulheres cis”. “Dizem que mulheres cis sofrem com o machismo, menores salários, que são assediadas… E as mulheres trans? Não consegue trabalho, não conseguem sair na rua sem serem notadas, sofrem olhares de desaprovação… Desta forma a luta não apaga, só sustenta o fato de onde a sociedade te coloca se você é mulher. Ela te coloca num patamar abaixo e é isso que devemos lutar contra, todas juntas”.

CONTRA-DISCURSO

Um dos discursos contrários à presença de mulheres trans no movimento de mulheres lésbicas e bissexuais é de que estariam obrigando mulheres cis lésbicas a transarem com um pênis. Leona diz que parte do feminismo radical traz a concepção naturalizadora entre homem-pênis-esturpo, no discurso essencialista, como se o estupro fosse próprio de uma condição do corpo, ou de característica própria dos homens, e que mulheres trans seriam homens.

“Desta lógica deriva que mulheres trans lésbicas seriam homens hétero disfarçados para estuprar lésbicas, já que tudo que uma pessoa com pênis pensaria é em penetrar, mesmo à força. O que ocorre no entanto é que o estupro tem mais relação com violência e poder que com desejo, é usado como humilhação, punição, e com as lésbicas como forma de impor sobre elas uma supremacia masculina à qual elas teriam “se rebelado'”, afirma.

Giulliana defende que o gosto por determinado genital pode fazer parte das características de uma pessoa. “Julgo como requisito bobo, mas não nego esse direito”. Ela diz, contudo, que falta o entendimento de algo fundamental: a necessidade de consentimento das duas partes ao se relacionar. “Existe uma coisinha bem conhecida entre as feministas que essa elite parece esquecer, é o consentimento, em qualquer relação, seja cis, trans, gay. É preciso o consentimento das partes para ter relações de qualquer tipo, desde uma amizade até uma orgia”.

A enfermeira Mariana Mancine, que é mulher cis lésbica, concorda e diz que não se sente intimidada em ser obrigada a ficar com uma mulher trans. “Acho essa manifestação desnecessária, já que cada uma tem suas preferências e amam quem quiser e quem bem entender. Não me sinto intimidada, pois só vou ter esse relacionamento se eu quiser. E de nenhuma forma isso apaga, diminui, ou desvalida o relacionamento com outras mulheres. É só mais um relacionamento com uma mulher, no caso, trans”.

Giulliana afirma ainda que mesmo nos relacionamentos de uma translésbica ou cislésbica não é necessariamente obrigatório o uso do genital. “Sexo não é só penetração. Existem 7 bilhões de formas de transar sem penetração. Aliás, algumas translésbicas não sentem à vontade de utilizar seu genital, existem as totalmente passivas e as ativas que vão usar o corpo, mão, boca, etc. Pênis não é necessário, se este for o grande problema. Como disse, há de haver consentimento para tudo”.

Dani: “Essas fobias vem do medo, do achismo”


Dani aponta para outras questões: “A mulher trans passa por tanta coisa, inclusive muitas possuem grande disforia com essa região de seus corpos. É falar que uma relação sexual lésbica só pode acontecer sem penetração? Ou que só os dedos valem? O que falar então das lésbicas que usam acessórios, estariam influenciadas pelos homens? Mesmo sendo duas lésbicas cis? Ou seria pior por serem duas lésbicas cis porque poderia ser uma construção machista do relacionamento lésbico? E se uma mulher trans se apaixonasse por uma mulher lésbica não tão feminina assim, não cis? O que seria? E se a trans lésbica não quisesse penetrar ninguém e quisesse ser penetrada? São tantas possibilidades. O que quero dizer é que a sexualidade e a forma de agir sexualmente são coisas que cada pessoa vai ter uma. Julgar é fácil, dificil é apontar o dedo para as coisas que nós mesmas fazemos sexualmente e que as outras pessoas achariam diferente”.

E A SOCIALIZAÇÃO MASCULINA?

Outro discurso recorrente é que mulheres trans e travestis tiveram socialização masculina na infância e adolescência – foram tratadas como homens – logo não sofreram violências dentro do gênero feminino, como mulheres cis sofrem. Em recente entrevista com a pesquisadora transfeminista Viviane Vergueiro, que é mulher trans bissexual, afirma que este discurso apaga, invisibiliza e limita a vivência de vida de muitas mulheres trans e travestis.

“Eu sou uma pessoa que tive uma socialização dita masculina e presença e identificação como homem cis hétero por uma parte significa da minha vida, mas tomar uma trajetória como a minha parâmetro para toda a população de mulheres trans e travestis é limitar as vivências de todas, que não são de um homem cis hétero. São vivências de violência desde a infância em relação às expressões de gênero e identidade de gênero, mesmo que elas não se identificam como mulheres desde a infância. É só ver na literatura como é o menino afeminado na escola e na família. Então dizer que essa ‘socialização masculina’ é secundária em relação às demandas de outras pessoas é apagar, por exemplo, todo genocídio trans, “, afirma.

SORORIDADE

Segundo Dani, excluir mulheres trans do movimento lésbico ou do femismo não beneficia, mas prejudica as lutas. “É o tipo de coisa burra a se fazer, porque é excluir uma parte das mulheres. Particularmente, acredito que essas mulheres não vejam o quão estão sendo machistas fazendo esse tipo de coisa e colocando todo o conceito feminino em apenas uma parte do corpo. É absurdo que as pessoas não entendem que esse tipo de radicalismo tem matado outras mulheres ou tem justificado ou incentivado agressões psicológicas e/ou físicas”.

Giulliana diz que a maioria das mulheres cis lésbicas apoiam a população trans e que essa união só fortalece os dois movimentos. “Já vimos casos de mulheres cis sofrendo transfobia por serem confundidas com trans. Além disso, toda mulher cis e trans passam por coisas em comum, como assédio, estupro, menor oportunidade de trabalho”.

Francine destaca que são necessários mais debates e informações. Ela frisa que nem toda mulher cis lésbica ou feministas radicais apresentam visões transfóbicas. Aponta, por exemplo, que a administradora da página “Todo dia uma rad passando vergonha com um texto diferente 2.0” é de uma mulher cis lésbica, e o apoio das feministas radicais Catharina Mackinnon e Andrea Dworkin.

Já Leona aponta para a necessidade de uma política de alianças contra as opressões. “O feminismo não tem por centro a luta contra a população trans, mas contra o patriarcado, o machismo, a violência contra as mulheres, a desigualdade de gênero. A luta lésbica é contra o machismo, a imposição heteronormativa, os estupros corretivos, clínicas de reorientação. Há mais demandas que convergem que divergem. De resto não preciso do apoio de todas feministas lésbicas, e sei que transfobia não é privilégio da direita conservadora e muito menos dos movimentos feministas e lésbicos, ela está em todos os lugares, é necessário lutar, tendo apoio de quem se luta ao lado ou não”, finaliza.

Anúncios

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.