Destaque Pride Realidade Uncategorized

Artivista travesti Juhlia Santos é candidata a deputada estadual pelo PSOL/MG

30dd2c9a-ace5-447b-b732-7574ec9063c1
Juhlia Santos (Crédito: Lucas Ávila)

A artivista e atriz Juhlia Santos é candidata a deputada estadual pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) de Minas Gerais. Segundo ela, que integra as candidaturas trans destas eleições, trata-se do projeto mais desafiador de sua vida.

Juhlia é conhecida em Belo Horizonte pelas diversas performances artísticas, peças de teatro e pela atuação no artivismo (junção da arte e do ativismo) em prol dos direitos humanos, sobretudo envolvendo questões raciais, de gênero, identidade de gênero e orientação sexual.

Segundo ela, a ideia de se candidatar a deputada estadual parte da necessidade de pessoas trans, travestis e negras ocuparem todos os espaços, inclusive os de poder. Ela frisa que a representatividade trans na política é importante, principalmente para pensar corpos, vozes e vidas que raramente são escutadas.

“A candidatura não foi uma decisão só minha, mas coletiva, por estar ao lado de vários movimentos de Belo Horizonte e com o Muitas, Pela Cidade que Queremos. Entendemos que é muito importante que tenhamos um corpo trans e negro na disputa a deputada estadual, que esta luta seja corporificada. Eu aceitei porque percebi que neste espaço poderia viabilizar as lutas que eu já faço”, declara ao NLUCON.

Dentre as lutas, a candidata aponta para o direito à vida e pela dignidade da pessoa humana. Lembrando que o Brasil é apontado como o país que mais mata travestis e pessoas trans no mundo, que teve um acréscimo de 6% de crimes por feminicídio com 4.473 homicídios dolosos em 2017, sendo que as mortes de mulheres negras subiu em 14% na última década.

“O que nos iguala nas lutas sociais é essa falta da existência com dignidade humana. Mas sempre trarei o recorte que vai do racial ao gênero, nos tornando mais intersseccionais”, diz.

Ao ser questionada por qual motivo escolheu o PSOL, Juhlia explica: “Há muitos espaços e organizações em que nossos corpos só são usados para legitimar as causas, mas na Muitas, que é uma movimentação dentro do PSOL, eu entendi que teria voz e vez. E que de fato este corpo era reconhecido”, frisa.

Ela defende que todo o processo de campanha também será coletivo. “Eu não falo só por mim, eu vocalizo diversas pessoas. É mulheres no plural, negros no plural, pessoas trans e LGBT no todo. E entender que o movimento LGBT não pode ser mais G, branco e cisnormativo. Ele tem que ampliar e nos pensar também”, declara.

Assista duas entrevistas com Juhlia, antes da oficialização das candidaturas:

Anúncios

2 comentários

  1. When ʏou are excited ɑƅout a new profession as a
    paralegaⅼ, there are a variety of chοices which you
    can consider. Yoᥙ might determine that being a freelance paraⅼegal is the best way that
    you just ԝish to pursue this field. You possibly can bеgin ƅy weіghing the pros and cons of this thrilling new means of working in the paraleցaⅼ area;
    and chances are youll resolve that its the best option for you.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.