Cármen Lúcia suspende ação que abria brecha para terapia de “cura gay” por psicólogos

foto-diego-bresani---minist
Cármen Lúcia (foto: Diego Bresani / Época)

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF) deu um importante passo contra o retrocesso que tenta alcançar os direitos da população LGBT. Ela suspendeu uma ação do Distrito Federal que autorizou a terapia de reversão sexual, conhecida como “cura gay”.

A ação refere-se a decisão do juiz da 14ª Vara Cível em Brasília, Waldemar Cláudio de Carvalho, que autorizou psicólogos a realizarem terapias em LGBT tentando mudá-los, quando forem a “solicitação dos pacientes e para debates acadêmicos, estudos e atendimentos psicoterapêuticos”.

Para suspender a ação, a ministra se baseou nas normas do Conselho de Psicologia, que impede desde 1999 que psicólogos colaborem “com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades”. O Conselho chegou a pedir para que a ministra suspendesse a ação, uma vez que a homossexualidade não é doença para ser curada ou revertida, além de deter dado uma decisão que não era de sua competência.

De acordo com o Conselho de Psicologia, a Justiça de primeira instância, ao decidir sobre a validade de resolução, feriu a competência do Supremo, que é o órgão que decide sobre a constitucionalidade de normas.

“A partir da prolatação da decisão reclamada, o ordenamento jurídico brasileiro passou a admitir, implicitamente, que a condição existencial da homossexualidade no Brasil, ao invés de constituir elemento intrínseco e constitutivo da dignidade da pessoa, retrocedeu no tempo, a fim de considerá-la uma patologia a ser supostamente tratada e curada através dos serviços de saúde, dentre os quais, a atuação de psicólogas e psicólogos”, disse o conselho ao STF.

Antes da decisão, Cármen também pediu informações à 14ª Vara Federal e parecer da Procuradoria Geral da República. Ela determinou que todas as decisões tomadas no caso, o que inclui a liminar que permitia o atendimento, estão suspensas.

“Neste exame preliminar e precário, próprio desta fase processual, parece haver usurpação da competência deste Supremo Tribunal prevista na al. a do inc. I do art. 102 da Constituição da República a justificar a suspensão da tramitação da Ação Popular n. 1011189-79.2017.4.01.3400, mantendo-se hígido o ato posto a exame”, determinou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.