Ir para conteúdo

Marsha P. Johnson e Sylvia Rivera, ativistas trans históricas, ganharão monumento em Nova Iorque

Imagem de destaque - Sylvia Rivera e Marsha P. Johnson (por Diana Davies)

Por Camila Nishimoto

Junho de 2019, além de ser, tradicionalmente, o mês do Orgulho LGBT, também marcará outro acontecimento histórico: o aniversário de 50 anos do levante de Stonewall, ponto de origem da Parada do Orgulho LGBT que colore avenidas em várias partes do mundo todos os anos. Em homenagem, a cidade de Nova Iorque erguerá um monumento para as duas principais ativistas do levante: Marsha P. Johnson e Sylvia Rivera.

Marsha e Sylvia eram mulheres trans de origens negra e latina, respectivamente, e foram as responsáveis por iniciar o levante no bar Stonewall Inn, em 1969, negando-se a ceder à intimidação policial que acontecia com frequência em um dos poucos lugares seguros para a comunidade LGBT na Nova Iorque dos anos 1960. Marsha foi uma das primeiras a resistir e acredita-se que Sylvia foi quem jogou a primeira garrafa.

O movimento LGBT ainda é muito associado à imagem de homens cis gays brancos e, segundo a primeira dama de Nova Iorque, Chirlane McCray, é muito importante que um monumento como este tenha “nome e rosto” para “contrariar a tendência que existe em embranquecer a história”.

O monumento, que será uma instalação permanente no Greenwich Village, é um dos primeiros a serem erguidos em homenagem à população trans, fazendo parte de um projeto que tem por objetivo reduzir a desigualdade de gênero através de representações artísticas em espaços públicos de Nova Iorque.

NYR_2808_0195
Marsha P. Johnson para a série de Polaroids “Ladies and Gentlemen” (Foto: Andy Warhol)
Sylvia Rivera
Sylvia Rivera em Nova Iorque (Foto: Justin Sutcliffe)

O artista que realizará a obra ainda não foi escolhido, mas estima-se que ela custará US$ 750 mil e estará pronta até 2021. Inseparáveis até o falecimento de Marsha, aos 46 anos, em 1992, ela e Sylvia serão agora eternizadas não só para a comunidade LGBT, mas para o mundo em uma de suas cidades mais importantes.


Camila Nishimoto é jornalista, feminista e está sempre querendo abraçar o mundo.
Twitter: @CamilaNishimoto

Camila Nishimoto Ver tudo

Jornalista, feminista e está sempre querendo abraçar o mundo. Twitter: @CamilaNishimoto

2 comentários em “Marsha P. Johnson e Sylvia Rivera, ativistas trans históricas, ganharão monumento em Nova Iorque Deixe um comentário

  1. Ja são eternas por suas lutas. Mas um monumento como marco pra eternizar a importância dessas duas é mais do que importante. É urgente.
    Viva!!!

    Curtir

  2. Apenas um anexo: Marsha foi assassinada, seu corpo jogado no rio. Importante falar sobre isso porque até hoje a polícia de NYC não chegou a uma conclusão sobre quem matou Marsha P. Johnson. Falam em suicídio, mas se tratando de uma mulher trans, negra, ativista, e reconhecida mundialmente, há uma grande probabilidade ser um crime de ódio.

    Curtir

Deixe uma resposta para Marcio LuizCancelar Resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: